DC 0068 - Reutilização do Antigo Hospital Distrital de Viana do Castelo

[Plantas] [Plantas e alçados] [Plantas e alçados] [Plantas e cortes] [Plantas, cortes e alçado] [Plantas] [Plantas, alçados e corte] [Plantas] Plantas cortes Plantas Cortes Plantas Plantas Alçados Cortes Plantas Plantas

Zona de identificação

Código de referência

PT FIMS AS-1-1.1-001-0068

Título

Reutilização do Antigo Hospital Distrital de Viana do Castelo

Data(s)

  • 1985-1987 (Produção)

Nível de descrição

DC

Dimensão e suporte

25 peças desenhadas;
1 u.i. de peça escrita

Zona do contexto

Nome do produtor

(1958-1993)

História administrativa

Alcino Soutinho iniciou a sua atividade de arquiteto em regime de profissão liberal em 1958. Teve vários escritórios, constituídos sem formalismos legais, onde exerceu a prática da arquitetura. Durante a sua vida profissional destacam-se duas fases: numa primeira fase, a profissão foi exercida com vários sócios sem qualquer formalismo; numa segunda fase, em 1993, associa-se à sua filha no escritório que se designa por “Alcino Soutinho Arquitecto Lda.”
Cronologicamente, podemos referir as seguintes fases, enquanto arquitecto em regime liberal:
1ª Escritório com o arquiteto Octávio Lixa Filgueiras na Praça de Filipa de Lencastre, no Edifício do Hotel Infante de Sagres
2ª Escritório com Pedro Ramalho e Sérgio Fernandes, na Rua do Barão de S. Cosme, no início dos anos 60; depois mudam-se para a Rua Marques da Silva. Os trabalhos dos arquitetos começam a separar-se;
3ª Escritório com Rolando Torgo, nos fins dos anos 60 até 1973, na rua de D. Hugo;
4ª Escritório, de 1973 até 1993, escritório na Rua Carlos Malheiro Dias nº 283 r/c Direito;
Ao longo da sua vida profissional projetou mais de 200 obras.

História do arquivo

Fonte imediata de aquisição ou transferência

Zona do conteúdo e estrutura

Âmbito e conteúdo

Documentos relativos ao processo de obra de readaptação do Antigo Hospital Distrital de Viana do Castelo, com o número de obra 68.
O processo de obra é composto pelos seguintes documentos: 25 peças desenhadas, 1 u.i. com peças desenhadas, memória descritiva, estimativa orçamental; correspondência, fotografias, documentação diversa relativa à reutilização do antigo hospital distrital de Viana do Castelo a Escola Superior de design (obra 154).

  • Dados sobre a obra
    • Autor: Arq. Alcino Soutinho
    • Estado da obra: construída
    • Localização: Viana do Castelo
    • Tipo de construção: adaptação de edifício

Avaliação, selecção e eliminação

Ingressos adicionais

Sistema de organização

Zona de condições de acesso e utilização

Condições de acesso

Condiçoes de reprodução

Idioma do material

Script do material

Notas ao idioma e script

Características físicas e requisitos técnicos

Instrumentos de descrição

Zona de documentação associada

Existência e localização de originais

Existência e localização de cópias

Unidades de descrição relacionadas

Descrições relacionadas

Zona das notas

Nota

Em 1986, Soutinho, juntamente com Luís Casal e Vítor Carvalho, concebe o projeto de Reutilização do Antigo Hospital Distrital de Viana do Castelo, no seguimento do primeiro lugar do concurso público. Este projeto visava o reordenamento do interior do quarteirão, onde o Hospital se insere, propondo que o edifício se transformasse num equipamento propulsor e dinamizador da cidade através da atribuição de um novo significado cívico-cultural ao edifício.
A proposta apresentada decorre da transferência dos serviços hospitalares do edifício da Santa Casa da Misericórdia de Viana do Castelo para o Novo Hospital Distrital, deixando em aberto a necessidade e o problema de reutilização das suas antigas instalações.
Dada a importância do edifico a nível histórico e arquitetónico é essencial criar condições de acolhimento dos serviços da Santa Casa da Misericórdia.
A solução apresentada consagra, então, dialeticamente os dois princípios fundamentais que, inevitavelmente, são ponderados nas intervenções em edifícios com acentuada carga histórica- adição carismática ao contexto físico da preexistência, e projecto difuso conduzido como recomposição do ambiente igualmente preexistente.

Identificador(es) alternativo(s)

Pontos de acesso

Pontos de acesso - Assuntos

Pontos de acesso - Locais

Pontos de acesso - Nomes

Pontos de acesso de género

Zona do controlo da descrição

Identificador da descrição

Identificador da instituição

Regras ou convenções utilizadas

Estatuto

Nível de detalhe

Datas de criação, revisão, eliminação

Línguas e escritas

  • português

Script(s)

Fontes

Zona da incorporação

Assuntos relacionados

Pessoas e organizações relacionadas

Géneros relacionados

Locais relacionados