UP ATOM Server

DC 0102 - Escola Primária da Quinta do Cedro

[Vista exterior da escola] [Esquisso de Planta, Alça... [Esquisso de Planta, Alça... Projecto: Cortes C1 e C2 Ante-projecto: Planta do ... Ante-projecto: Cortes 1, ... Projecto: Alçados A1 e A2 Projecto: Planta, alçados... Projecto: Cortes C3 e C4 Projecto: Cortes C5, C6 e C7

Zona de identificação

Código de referência

PT FIMS TAV-2-2.2-2.2.3-2.2.3.1-2.2.3.1.2-01-0102

Título

Escola Primária da Quinta do Cedro

Data(s)

  • 1957-1959 (Produção)

Nível de descrição

DC

Dimensão e suporte

43 peças desenhadas; 2 u.i. de peça escrita; papel.

Zona do contexto

Nome do produtor

Fernando Távora, Arquitecto (1946-1996)

História administrativa

Fernando Távora exerceu atividade de arquiteto, como profissional liberal, de 1946 a 1996, no seu escritório da Rua Duque de Loulé, nº 98, 3º esq., freguesia da Sé, Porto.
O acervo profissional do Arq. Fernando Távora é formado pelo material produzido desde o início da sua atividade até à formação com o seu filho de uma nova empresa. Do vasto acervo produzido e acumulado pelo arquiteto podemos encontrar: documentação relativa à sua formação pessoal/profissional, assim como, documentação administrativa e do projeto. Dá-se enfoque aos originais compostos por esquissos e desenhos de estudo, desenhos de projeto e diversos geralmente executados a tinta ou grafite e outras técnicas, sobre canson, vegetal, amocê plásticos, papel comum, etc.; processos compostos por pastas contendo peças escritas relativas a projetos de construção, fotografias de obra, maquetas representativas das fases de elaboração dos projetos, slides, etc.

História do arquivo

Fonte imediata de aquisição ou transferência

Zona do conteúdo e estrutura

Âmbito e conteúdo

Dados sobre a obra
Autor: Fernando Távora
Estado da obra: construída
Localização: Vila Nova de Gaia - Mafamude, Bairro do Cedro, Rua Rui de Pina
Requerente: Câmara Municipal de Vila Nova de Gaia
Tipo de construção: Edifício Escolar

Outras Informações
Áreas:
Alpendres, vestíbulos e salas dos professores - 138m2
Recreios cobertos - 332 m2
Corpos de aulas - 1520 m2
Cantina e anexos - 267 m2
Área construída - 2257 m2
Colaboradores: Vasco Cunha, Alberto Neves, Augusto Amaral.
Construtor: César do Couto Leite - Praia da Granja
Especialidades:
Estruturas - Engº Asdrubal-Artur Teixeira Varejão
Engº Joaquim Cálem Holzer
Tecnologia/materiais:
Fundações e paredes de elevação em granito. Divisórias em tijolo. Betão armado em lajes e escadas. Cobertura em telha sobre estruturas de madeira. Pavimentos em xisto, mosaico, marmorite e taco.

Cronologia
Janeiro de 1958 - Anteprojecto
Novembro de 1958 - Projecto

Avaliação, selecção e eliminação

Ingressos adicionais

Sistema de organização

Zona de condições de acesso e utilização

Condições de acesso

Condiçoes de reprodução

Idioma do material

Script do material

Notas ao idioma e script

Características físicas e requisitos técnicos

Instrumentos de descrição

Zona de documentação associada

Existência e localização de originais

Existência e localização de cópias

Unidades de descrição relacionadas

Descrições relacionadas

Zona das notas

Nota

"Durante anos eu pensei a Arquitectura como qualquer coisa de diferente, de especial, de sublime e extra terreno, qualquer coisa assim como uma intocável virgem branca, tão sublime, tão ideal que apenas a raros era dado realizá-la ou compreendê-la, o arquitecto era para mim ou um génio semidivino ou apenas um zero.
Entre a pequena choupana e a mais famosa obra de Arquitectura não havia relação, como não a havia entre o pedreiro e o arquitecto. Eram coisas diferentes, desligadas. Este conceito mítico da arquitectura e do arquitecto produzia em mim um atroz sofrimento, dado que eu não era um génio e não conseguia portanto realizar edifícios tão intocáveis como virgens brancas.
Rodaram os anos. Vi edifícios e conheci arquitectos. Percebi que um edifício não se contém numa bela planta nem numa bela fotografia tirada em dia de sol e sob o seu melhor ângulo; verifiquei que afinal todos os arquitectos eram homens, com as suas qualidades, maiores ou menores, e com os seus defeitos, maiores ou menores. Acreditei então que a Arquitectura era sobretudo um acontecimento como tantos outros que preenchem a vida dos homens e, como todos eles, sujeita às contingências que a mesma vida implica. E a intocável virgem branca tornou-se para mim numa manifestação de vida. Perdido o seu sentido abstracto, encontrei então a Arquitectura como qualquer coisa que eu ou qualquer outro homem podemos realizar - melhor ou pior -, terrivelmente contingente, tão presa à circunstância como uma árvore pelas suas raízes se prende à terra.
E o mito desfez-se. E entre a pequena choupana e a obra-prima vi que existiam relações como sei existirem entre o pedreiro (ou qualquer outro homem) e o arquitecto de génio.
Vista sob este ângulo, a Arquitectura aparece-me agora como uma grande força, força nascida da Terra e do homem, presa por mil fios aos cambiantes da realidade, força capaz de contribuir poderosamente para a felicidade do meio que a vê nascer. Efeito e causa, ela é deste modo uma das armas de que o homem dispõe para a criação da sua própria felicidade. Procurei atender a tudo, desde os ventos que batem o local até ao uso dos materiais, desde as normas oficiais até ao bem-estar físico e espiritual de alunos e professores, desde o custo da construção até à pendente do terreno, etc. etc. Mas, procurando atender a tudo, procurei hierarquizar os condicionamentos e integrá-los num todo que fosse algo mais do que uma soma de partes distintas.
Como uma árvore, este edifício tem as suas raízes, dá sombra e protecção àquelas que a ele se acolhem, tem os seus momentos de beleza e, assim como nasceu, um dia morrerá depois de viver a sua vida. Não se trata, em verdade, de uma intocável e eterna virgem mas de uma pequena e simples obra feita por homens para homens."
Fernando Távora

Identificador(es) alternativo(s)

Pontos de acesso

Pontos de acesso - Locais

Pontos de acesso - Nomes

Zona do controlo da descrição

Identificador da descrição

Identificador da instituição

Regras ou convenções utilizadas

Estatuto

Nível de detalhe

Datas de criação, revisão, eliminação

Línguas e escritas

  • português

Script(s)

Fontes

Zona da incorporação

Pessoas e organizações relacionadas

Locais relacionados