UP ATOM Server

DC 0068 - Reutilização do Antigo Hospital Distrital de Viana do Castelo

[Plantas] [Plantas e alçados] [Plantas e alçados] [Plantas e cortes] [Plantas, cortes e alçado] [Plantas] [Plantas, alçados e corte] [Plantas] Plantas cortes Plantas Cortes Plantas Plantas Alçados Cortes Plantas Plantas

Zona de identificação

Código de referência

PT FIMS AS-1-1.1-001-0068

Título

Reutilização do Antigo Hospital Distrital de Viana do Castelo

Data(s)

  • 1985-1987 (Produção)

Nível de descrição

DC

Dimensão e suporte

25 peças desenhadas;
1 u.i. de peça escrita

Zona do contexto

Nome do produtor

Alcino Soutinho, Arquitecto (1958-1993)

História administrativa

Alcino Soutinho iniciou a sua atividade de arquiteto em regime de profissão liberal em 1958. Teve vários escritórios, constituídos sem formalismos legais, onde exerceu a prática da arquitetura. Durante a sua vida profissional destacam-se duas fases: numa primeira fase, a profissão foi exercida com vários sócios sem qualquer formalismo; numa segunda fase, em 1993, associa-se à sua filha no escritório que se designa por “Alcino Soutinho Arquitecto Lda.”
Cronologicamente, podemos referir as seguintes fases, enquanto arquitecto em regime liberal:
1ª Escritório com o arquiteto Octávio Lixa Filgueiras na Praça de Filipa de Lencastre, no Edifício do Hotel Infante de Sagres
2ª Escritório com Pedro Ramalho e Sérgio Fernandes, na Rua do Barão de S. Cosme, no início dos anos 60; depois mudam-se para a Rua Marques da Silva. Os trabalhos dos arquitetos começam a separar-se;
3ª Escritório com Rolando Torgo, nos fins dos anos 60 até 1973, na rua de D. Hugo;
4ª Escritório, de 1973 até 1993, escritório na Rua Carlos Malheiro Dias nº 283 r/c Direito;
Ao longo da sua vida profissional projetou mais de 200 obras.

História do arquivo

Fonte imediata de aquisição ou transferência

Zona do conteúdo e estrutura

Âmbito e conteúdo

Documentos relativos ao processo de obra de readaptação do Antigo Hospital Distrital de Viana do Castelo, com o número de obra 68.
O processo de obra é composto pelos seguintes documentos: 25 peças desenhadas, 1 u.i. com peças desenhadas, memória descritiva, estimativa orçamental; correspondência, fotografias, documentação diversa relativa à reutilização do antigo hospital distrital de Viana do Castelo a Escola Superior de design (obra 154)

Dados sobre a obra
Responsável: Arq. Alcino Soutinho
Estado da obra: Construída
Localização: Viana do Castelo
Tipo de construção:Adaptação de edifício

Avaliação, selecção e eliminação

Ingressos adicionais

Sistema de organização

Zona de condições de acesso e utilização

Condições de acesso

Condiçoes de reprodução

Idioma do material

Script do material

Notas ao idioma e script

Características físicas e requisitos técnicos

Instrumentos de descrição

Zona de documentação associada

Existência e localização de originais

Existência e localização de cópias

Unidades de descrição relacionadas

Descrições relacionadas

Zona das notas

Nota

Em 1986, Soutinho, juntamente com Luís Casal e Vítor Carvalho, concebe o projeto de Reutilização do Antigo Hospital Distrital de Viana do Castelo, no seguimento do primeiro lugar do concurso público. Este projeto visava o reordenamento do interior do quarteirão, onde o Hospital se insere, propondo que o edifício se transformasse num equipamento propulsor e dinamizador da cidade através da atribuição de um novo significado cívico-cultural ao edifício.
A proposta apresentada decorre da transferência dos serviços hospitalares do edifício da Santa Casa da Misericórdia de Viana do Castelo para o Novo Hospital Distrital, deixando em aberto a necessidade e o problema de reutilização das suas antigas instalações.
Dada a importância do edifico a nível histórico e arquitetónico é essencial criar condições de acolhimento dos serviços da Santa Casa da Misericórdia.
A solução apresentada consagra, então, dialeticamente os dois princípios fundamentais que, inevitavelmente, são ponderados nas intervenções em edifícios com acentuada carga histórica- adição carismática ao contexto físico da preexistência, e projecto difuso conduzido como recomposição do ambiente igualmente preexistente.

Identificador(es) alternativo(s)

Pontos de acesso

Pontos de acesso - Assuntos

Pontos de acesso - Locais

Pontos de acesso - Nomes

Zona do controlo da descrição

Identificador da descrição

Identificador da instituição

Regras ou convenções utilizadas

Estatuto

Nível de detalhe

Datas de criação, revisão, eliminação

Línguas e escritas

  • português

Script(s)

Fontes

Zona da incorporação

Assuntos relacionados

Pessoas e organizações relacionadas

Locais relacionados